logo



PARTE 1 – ESSE VÍDEO VIRALIZOU E PROVOCOU SURPRESA, RAIVA, INDIGNAÇÃO, PENA E OUTROS SENTIMENTOS E DEIXOU DIVERSAS QUESTÕES EM ABERTO.
o PORQUE EMMA MERGULHOU NUM LOCAL TÃO PERIGOSO?
o COMO ELA NÃO PERCEBEU QUE ESSE PASSO NÃO TINHA VOLTA?
o O QUE FEZ DANIIL PULAR PARA AJUDA-LA DEPOIS DE OBSERVAR O SUFOCO QUE ELA PASSAVA?
o O QUE FAZER EM UMA SITUAÇÃO DESESPERADORA COMO ESSA?

“Para solucionar um problema, primeiro temos que vê-lo, admiti-lo e conhece-lo” Szpilman y Palacios Afogamento é um processo complexo que ocorre de forma silenciosa e mata em poucos segundos. Sou um estudioso desse problema e elaboramos esse vídeo para colocar um pouco mais de luz em alguns aspectos desse desastre que tanto nos chocou.

PARTE 2 – QUAIS FORAM AS MOTIVAÇÕES PARA MERGULHAR?
Vamos analisar as possíveis razões uma pessoa é motivada a tomar tal atitude. • Um vídeo eletrizante para postar nas mídias sociais e isso não é só para ganhar likes, mas gera dinheiro através da monetização por patrocínios. Isso simplificaria tudo, não fosse o fato fatídico de ter morrido nessa ação. Então a responsabilidade está em cima das mídias que provocam esse tipo de atitude? Não creio que isso explique tudo.
• Há milhares de anos inserimos em nosso DNA, a mensagem, eu posso superar, eu posso fazer, eu posso ir além do que outros foram! Isso nos distingue de outros seres. É assim um dos grandes motores da humanidade que nos fizeram avançar, ir além do estabelecido e conseguir tudo que alcançamos hoje na tecnologia e na ciência, ou seja nosso avanço. Mas esse drive carrega um preço individual – passar por cima da segurança pessoal e arrisca A VIDA, como ocorreu e a percepção irreversível em alguns segundos de que o passo foi além e de que não há volta. Até o próximo dizer. Ela não conseguiu, mas eu consigo. E existem muitos atos que assim se mostram possíveis, embora carreguem um alto preço – o risco da morte.

PARTE 3 – EXISTE UMA FÓRMULA PARA ENTENDER A COMPLEXIDADE DO AFOGAMENTO?
Em 2019, um grupo de especialistas elaborou uma fórmula do afogamento que foi apresentada como trabalho científico em Durban 2019 durante o Congresso Mundial de Afogamento. Ela realiza uma análise melhor do problema e das soluções.
1. Risco no ambiente (como solução usamos a prevenção ativa):
a. O local foi descrito como sendo no mediterrâneo, o que é incomum toda essa fúria das ondas. Ou seja, se não foi a primeira vez deles no local, eles devem conhece-lo como sendo bem tranquilo em outras situações.
b. Havia sinalização de risco no local? E se havia os Russo a compreenderiam? No local deveria haver sinalização de risco que pudesse ser compreendido sem o uso de palavras, embora saibamos que isso só seria efetivo se eles respeitassem seus limites de competência aquática.

2. Risco no comportamento (como solução usamos a prevenção reativa):
a. A nacionalidade dela era russa, e sabemos que a população Russa não tem hábito de frequentar praias com ondulações. Isso leva ao desconhecimento do perigo.
b. A ignorância que nos protege em diversas situações pode ser mortal em situações como essa. A falta de conhecimento da competência aquática (CA) os fez ultrapassar os seus limites (UL).

PARTE 4 – ESTAMOS VENDO A EXCEÇÃO OU A REGRA?
1. Porque isso nos chocou tanto? Além do fato do desperdício da vida em prol de quase nada pessoal, para a maioria das pessoas o pulo dela e depois o dele no local era evidente de risco quase certo de morte.
2. Estamos vendo a regra e não a exceção! Na maioria dos afogamentos ocorre uma desvalorização do risco no local, seja em piscinas, rios, ou praias, e, portanto, quanto mais calmo e menor a competência aquática da pessoa menos evidente o risco transparece e menor capacidade de enfrentamento.

CONCLUSÃO:
• Nunca teremos segurança aquática provida por guarda-vidas em mais de 20 a 30% das nossas áreas aquáticas.
• Então sempre teremos a maior parte sem proteção e dependendo da educação individual.
• Essa educação, não passa apenas pelo ensino da flutuação e da natação, mas principalmente pela sensibilização da percepção do risco e do respeito aos seus limites.
• Para Daniil Gagarine (30 anos) e Emma Mönkkönen (24), a morte no mar Mediterraneo, em Torrevieja, Espanha, foi um desperdício pessoal, para humanidade um passo a mais na compreensão do complexo processo de afogamento.

PREVENIR É SALVAR – EDUCAR PARA NÃO AFOGAR!
Concordando ou não dessa análise, dê sua opinião!

MATÉRIAS PUBLICADAS
https://www.abc.es/espana/comunidad-valenciana/abci-encuentran-banista-muerta-ahogada-torrevieja-y-buscan-amigo-intento-salvarla-202109241254_video.html https://diarioarapiraca.com.br/noticia/entretenimento/influencer-fitness-morre-apos-tentar-salvar-amiga-em-mar-/27/78345

  1. Miriam c. Moretto Responder
    Bom dia Chocante o vídeo Sou professora de natação, trabalho com iniciantes, sempre converso com eles dos perigos das piscinas, rios, mares Ótimas informações nesse vídeo

Deixe uma resposta para Miriam c. Moretto Cancelar resposta

*

dezenove − 16 =

captcha *