PROGRAMA DE QUALIDADE EM SEGURANÇA SOBRASA (PQSS) - 2005

INSTALAÇÃO AQUÁTICA - PISCINAS E PARQUES

Atualizado em Setembro de 2005

Introdução: É surpreendente constatar que no Brasil, embora mais de 50% dos óbitos por afogamento ocorram em águas fechadas do tipo piscinas, parques aquáticos, hotéis, condomínios, represas e rios, não exista até o momento nenhuma legislação Federal que sustente ou exija um mínimo de segurança nestes ambientes. Por esta razão, a Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático - Sobrasa - elaborou uma proposta de Lei que contempla este importante tópico em nosso país (pode ser visualizada em www.sobrasa.org). Entretanto, como esta Lei encontra-se em andamento no Congresso Nacional e como a Sobrasa vem sendo procurada por diversos setores da área aquática a prestar esclarecimento e ajuda quanto ao item segurança, ficou estabelecido por sua Diretoria(2003-07) que uma das formas de contribuição nesta área seria realizada através de um programa de controle de qualidade em segurança em instalações aquáticas. Assim nasceu o PQSS-PISCINAS.

Definimos "Instalação aquática" como toda superfície ou lâmina de água natural ou artificial, que esta habilitada para uso recreativo ou desportivo. As instalações aquáticas devem possui acessos, serviços, condições higiênicas e sanitárias específicas e principalmente estar supervisionado e vigiado todo o tempo por socorristas aquáticos. A função principal do socorrista nestas instalações é preventiva.

 

O PQSS-PISCINAS que tem os seguintes objetivos principais:

1. Prestar assessoria na área de segurança aquática a pessoas jurídicas, de forma a reduzir o número de acidentes aquáticos em ambientes fechados (piscinas, parques, represas e similiares) e em seu entorno.

2. Qualificar (aprovada ou reprovada) a segurança prestada na prevenção e no atendimento de acidentes aquáticos e em seu entorno e se aprovada emitir certificado qualificando em um dos três níveis propostos.

3. Emitir parecer com sugestões a empresa solicitante com a finalidade de melhoria na segurança e a adequação ao PQSS-PISCINAS.

 

Métodos: Serão avaliados todos os aspectos estruturais, organizacionais, materiais e humanos envolvidos na segurança do banhista. Para tal passamos a descrever os passos a serem seguidos pela empresa solicitante:

1. Será verificado se a empresa atende o mínimo de 80% de todas as condições exigidas na Ficha de avaliação do PQSS-PISCINAS (ver abaixo).

2. Ser Sócia Institucional da Sobrasa (clique para saber como)

2. Depositar o valor de 1.5 (um e meio) salário mínimo vigente em nome da Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático, Bradesco 237, Agencia: 1075-8 - Barra da Tijuca, Conta número: 037149-1, CNPJ 01.013672/0001-02.

3. Arcar com as despesas de deslocamento, alimentação e hospedagem do Certificador de Qualidade da Sobrasa.

4. Marcar o dia para a avaliação.

 

Vantagens da aderência ao PQSS - Redução de riscos e acidentes em suas instalações através de um relatório gerado após a visita e assessoria de nosso certificador de qualidade da Sobrasa.

 

Vantagens da certificação do PQSS - Com a certificação no PQSS-PISCINAS, a pessoa jurídica terá o direito de divulgar sua excelência em qualidade em mídia ou na própria empresa como parte de seu marketing, além de poder utilizar o logotipo da Sobrasa em seu uniforme e em seu estabelecimento e;

a - Receber certificado de qualidade emitido pela Sobrasa qualificando em um dos três níveis propostos (ver abaixo).

b - Divulgação de seu logotipo na web da Sobrasa indicando sua certificação no PQSS-PISCINAS gerando confiabilidade as empresa contratantes.   

 

Tempo de validade para a certificação: 1 ano.

 

FICHA DE AVALIAÇÃO DO PQSS

 
 

Esta ficha é utilizada pelo instrutor da Sobrasa em sua avaliação do PQSS-PISCINAS em instalações aquáticas tipo ambientes de águas fechadas (piscinas, parques, represas e outros similiares). Para a certificação do PQSS-PISCINAS a instalação aquática necessita contemplar 80% de suas exigências. Serão assim subdivididos as instalações aquáticas quanto aos percentuais atingidos e qualificados: Padrão Bronze - 80%, Padrão Prata - 90% e Padrão ouro 100%. Será permitido a empresa, quando não satisfizer ao PQSS-PISCINAS, solicitar tempo hábil, após a primeira visita, para uma nova avaliação mediante o pagamento de uma nova taxa no mesmo valor.

 
 

Nome da empresa:

Endereço(com CEP):

Tels:                                                                                                     CGC:

E.mail:

Nome do responsável acompanhante do processo de avaliação:

Data da avaliação:

Nome do Certificador da Sobrasa:

Padrão alcançado: Bronze - 80% ; □ Prata - 90%;   □ Ouro 100%

 

Estratégias de aferição da ficha do PQSS-PISCINAS: Observação pessoal do certificador, questionário oral ou escrito, e simulado de cenários em 50 itens de avaliação com peso 2. Na falta de algum item especificado, o certificador pode avaliar como ponto dado a Instituição caso interprete que a falta do item em nada aumenta o risco a segurança. A Instituição aferida deverá completar um mínimo de 80 pontos ou 40 itens completados.

1 - Quanto as instalações aquáticas e seu entorno

1.1 - Folheto ou placa com orientação ao usuário sobre normas gerais de segurança, atividades e brincadeiras de risco

1.2 - Cada atração aquática com qualificação e normas de segurança visível em placas aos usuários  
(Nome da atração, profundidade da piscina, posição correta para utilização, proibição de objetos, limitação para usuários tipo idade e capacidade física, e tempo de duração da atração)

1.3 - Medidas de construção das instalações aquáticas para prevenção de acidentes
(Piso anti-derrapante, sem acúmulo de água no piso, escadas com corrimão, bordas com proteção, acessos para entrada e saída fácil, avisos de profundidade, barra de proteção e liberação de entrada que estabelecem a velocidade de início do deslize)

1.4 - Áreas de sombra, água potável e chuveiros para o banho antes de entrar na piscina

1.5 - Água com tratamento adequado, manutenção da piscina, precauções quanto ao sistema de aspiração e ausência de objetos cortantes ou pontiagudos na área da piscina
2. Quanto aos recursos de assistência médica

2.1 - Departamento Médico com equipamento de suporte avançado de vida

(Oxigênio, material de acesso as vias aéreas, e desfibrilador semi-automático)

2.2 - Ambulância ou acesso a ambulância em menos de 15 min após o incidente

2.3 - Um médico treinado em Suporte Avançado de Vida e Trauma durante funcionamento (estabelecimentos com mais de 1000 pessoas) 

2.4 - Um técnico em enfermagem treinado em Suporte Básico de Vida e trauma durante funcionamento

2.5 - Acesso a hospital terciário em menos de 30 min  

3 - Quanto aos recursos humanos na área de prevenção e salvamento   

3.1 - Um supervisor/coordenador geral para as equipes médica, guarda-vidas e administrativos

3.2 - Um supervisor de área para cada 10 guarda-vidas

3.3 - Um guarda-vidas para cada 320m2 de água parada sem área cega

3.4 - Um guarda-vidas para cada 200m2 de água em movimento sem área cega 

3.5 - Um ajudante de guarda-vidas posicionado em cada entrada e saída de atrações aquáticas rápidas

4 - Quanto aos recursos materiais

4.1 - Rescue-tube individual ou por área

4.2 - Bóia salva-vidas para uso de leigos em local de fácil visualização

4.3 - Cadeiras de observação ou pontos elevados em cada posto

4.4 - Medidas de proteção solar adequada (óculos, protetor solar, uniforme e guarda-sol) e uniforme de serviço

4.5 - Medidas de proteção individual ou por área para o SBV (máscara e luvas)

5 - Quanto ao sistema de comunicação dentro do parque
5.1 - Sistema de comunicação dentro do parque (rádios portáteis com acesso a supervisão ou médico)

5.2 - Sistema de comunicação para fora do parque (celulares e principais números)

5.3 - Códigos de acidente estabelecido

5.4 - Protocolo de comunicação de aviso(alerta) aos banhistas
5.5 - Protocolo de comunicação entre socorristas

6 - Quanto a operacionalidade do serviço de salvamento

6.1 - Documentação apropriada dos incidentes ocorridos

6.2 - Guarda-vidas de fácil acesso e visualização ao usuário

6.3 - Todo socorro deve ser precedido de um sinal de alerta do tipo sonoro (apito)
6.4 - Em caso de socorro, outro guarda-vidas assume o posto
6.5 - Capacidade de interromper temporariamente uma atividade ou atração

7 - Quanto a capacitação dos guarda-vidas (serão selecionados pelo instrutor, 2 guarda-vidas para os testes em separado e em áreas distintas)

7.1 - Teste físico em seqüência: Correr 500m < 2 min + 10 min de flutuação + 25 m submerso + nadar 100m < 1.40"  

7.2 - Reconhecer uma adequada capacidade de vigilância nas 3 áreas - Primária, secundária e terciária

7.3 - Reconhecer um mínimo de 10 formas de prevenção de acidentes

7.4 - Reconhecer um mínimo de 5 características de prováveis vítimas de acidentes ou afogamento

7.5 - Reconhecer um mínimo de 2 características de afogamento em curso

7.6 - Reconhecer em sua área 2 locais de maior risco de acidentes

7.7 - Descrever as normas básicas de relação com os usuários

7.8 - Capacidade de localizar visualmente a vítima + ativar a cadeia de resgate + atuar (iniciar o resgate) < 10 segundos

7.9 - Capacidade de aproximar + avaliar + e estabelecer contato para o resgate da vítima < 15 segundos

(nos dois itens acima: guarda-vidas de costas para área e vítima na água, quando soa o apito e tudo em um só tempo)

7.10 - Capacidade de realizar um socorro a uma distancia de 25 m em vítima consciente e agitada
7.11 - Capacidade de realizar um socorro a uma distancia de 25 m em vítima inconsciente

(nos dois itens acima avaliar: entrada, aproximação, abordagem, uso do rescue-tube, avaliação do suporte básico de vida dentro da água, reboque e retirada da piscina)

7.12 - Capacidade de realizar um salvamento a uma vítima suspeita de trauma cervical com e sem equipamento

7.13 - Capacidade de simular os 8 passos do exame primário em vítima inconsciente

(checar o local, checar a resposta, acionar o socorro médico, abrir vias aéreas, checar a respiração, ventilação boca-a-boca, checar sinais de circulação e compressão cardíaca)

7.14 - Capacidade de simular os 8 passos do exame primário em vítima de trauma inconsciente

(checar o local, checar a resposta, acionar o socorro médico, checar a respiração, abrir vias aéreas, checar a respiração, ventilação boca-a-boca, sinais de circulação e compressão cardíaca)

7.15 - Capacidade de simular os 6 passos do exame secundário em vítima clínica ou trauma

(imobilização cervical, resposta a dor,  exposição, sinais vitais, história resumida, exame da cabeça aos pés)

7.16 - Demonstrar quando e como colocar a vítima em posição lateral de segurança

7.17 - Saber reconhecer e como proceder em emergências clínicas (1 pergunta) e traumáticas (1 pergunta)

7.18 - Saber reconhecer e classificar o grau de afogamento e o tratamento apropriado (3 perguntas)

7.19 - Ter conhecimento de quando NÃO começar (4 razões) e quando parar a RCP (3 razões) em afogados

7.20 - Saber reconhecer as peças de um cilindro de oxigênio com suas válvulas, circuitos e demonstrar seu funcionamento